Tags

, , , ,

O povo mapuche nativo da região centro-sul chilena e do sudoeste argentino, teve o reconhecimento de sua autonomia pela Coroa Espanhola em 1641, após muita resistência. No processo de independência e de formação dos estados nacionais do Chile e da Argentina houve a busca de integração cultural e de aproveitamento econômico de seu território (a mesma lógica que se estende até os dias atuais), sem o devido respeito à autonomia mapuche. Desde então, a resistência cultural e a luta pelo controle de suas próprias terras é combatida com forte repressão política. Na década de 90 foi criada a Coordinadora Arauco-Malleco (CAM), responsável pela coordenação da resistência. A organização é classificada como ‘terrorista’ pelo estado chileno e, nos últimos anos, vários de seus integrantes vem sofrendo perseguições políticas, muitos deles presos.
(Introdução do Coletivo Anarquia ou Barbárie).

Fonte da matéria: Unio Mystika, 19 de março de 2015

Mediante um comunicado público enviado ao www.werken.cl, os Órgãos de Resistência Williches da Coordenação Mapuche Arauco Malleco (CAM) assumiram a autoria de três atos de resistência, que afetaram diretamente as florestais que se encontram localizadas em território Mapuche, e além do mais advertem, seguirão com os atos de sabotagem contra as empresas multinacionais que dia a dia destroem o território da nação indígena.
A CAM assume as seguintes ações: o ataque a um acampamento florestal ocupado como base militar no dia 14 de março de 2015 no fundo Lo Suarez da propriedade Florestal Arauco próximo a Lanco, também a queima de maquinários no dia 14 de outubro de 2014 em um prédio da Florestal Arauco próximo a San Juan de la Costa e por último a queima de máquinas florestais em 11 de janeiro de 2015 e a queima de um caminhão em 8 de março de 2014 em um prédio da Florestal Valdivia próximo a Malalhue.
REPRODUZIMOS O COMUNICADO PÚBLICO
Nós, dos Órgãos de Resistência Territorial Williche, declaramos a nosso Povo-Nação Mapuche e a opinião pública internacional o seguinte:
1 – O estado chileno segue considerando nosso território como uma soma de recursos sub-explorados a disposição do capital transnacional. Se multiplicam as florestais, as hidrelétricas, as mineradoras e projetos turísticos levando assim a cabo seu plano de invasão do território Mapuche. Vemos todas estas inversões como um perigo de morte para o ixtrofil mongen, para nosso rakiduam e então para nossa existência como povo.
2 – Devido a isso, os Weichafe decidiram acionar no Willimapu e dentro deste contexto, reivindicamos como O.R.T. Williche as seguintes ações contra as florestais e pela recuperação de nosso território:
– o ataque a um acampamento florestal ocupado como base militar em 14 de março de 2015 no fundo Lo Suarez da propriedade Florestal Arauco, próximo a Lanco.
 
– a queima de maquinários em 13 de outubro de 2014 em um prédio da Florestal Arauco perto de San Juan de la Costa.
– a queima de máquinas florestais em 11 de janeiro de 2015 e a queima de um caminhão em 8 de março de 2014 em um prédio da Florestal Valdivia, próximo a Malalhue.
3 – Não somos nem queremos ser os indígenas do Chile para sermos integramos a um projeto econômico e político que nos considere como uma riqueza étnica do Estado. Chamamos a nossos peñi e lamgen a não baixar os braços depois de séculos de resistência e seguir lutando com dignidade contra a invasão wingka expressando-se hoje através das transnacionais e do Estado chileno: nossa mapu, nosso sangue não estão a venda e não se negociam. Sem sabotagem as empresas que destroem nosso Wallmapu, não haverá autonomia para nosso Povo-Nação.
Fora inversões capitalistas de Wallmapu!
 
Exercitando controle territorial, avançamos em direção a libertação nacional!
 
Liberdade aos presos políticos Mapuche!
 
Marichiweu!
 
O.R.T. Williche.
Anúncios